Paraná registra mais 4.255 casos e 282 óbitos pela Covid-19

As forças de segurança pública do Estado, junto com órgãos municipais, fizeram o atendimento de 123 ocorrências durante o feriado da Páscoa. De zero hora de sexta-feira (2) até ás 7 horas desta segunda-feira (5), houve 291 ações de dispersão de aglomeração de pessoas.

No período, 176 adultos foram encaminhados a delegacias e 10 adolescentes apreendidos por não respeitarem as medidas sanitárias previstas por decretos estaduais. Também foram apreendidos três armas de fogo e 53 veículos.

Os dados constam no relatório da Secretaria da Segurança Pública. Apesar da ampla divulgação das medidas sanitárias de combate ao coronavírus, as equipes policiais do Estado tiveram que lidar com aglomerações em estabelecimentos comerciais e em locais públicos.

Com a fiscalização reforçada, outros delitos também foram combatidos e houve a apreensão de 49 veículos e a recuperação de outros quatro que possuíam alerta de furto ou roubo.

No feriado, houve 740 chamados iniciais relacionados à pandemia, como aglomerações de pessoas, funcionamento irregular de comércios, festas clandestinas e outras situações que poderiam aumentar a propagação do vírus.

A média diária foi de 246 acionamentos em todo o Estado. Do total de chamados é que resultaram as 123 ocorrências, ou seja, uma média de 41 por dia, as quais tiveram como resultado os devidos encaminhamentos ou notificações.

Para o Delegado-geral da Polícia Civil, Silvio Jacob Rockembach, o resultado se deve, também, à atuação diferenciada da Polícia Civil durante a período. “Neste momento da pandemia, ações de fiscalização para evitar e coibir aglomerações são importantíssimas para frear a contaminação. A Polícia Civil atua neste sentido, dando sua contribuição no enfrentamento à Covid-19, sem deixar de lado a atividade fim, que é a investigação”.

“A Polícia Militar tem feito todos os esforços no sentido de aplicar efetivo administrativo, efetivo de unidades especializadas, voltados para o patrulhamento onde existem as denúncias de aglomerações”, disse o comandante-geral da PM, coronel Hudson Leôncio Teixeira. “Neste feriado as ações foram intensificadas em conjunto com outras forças e com os municípios, e isso também surtiu efeito. Fizemos diversas fiscalizações e orientações e agimos com encaminhamentos onde foi necessário”, afirmou.

INTEGRAÇÃO

Nas operações da integração entre Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Polícia Científica, Departamento Penitenciário com as secretarias municipais e guardas municipais, 37 estabelecimentos foram multados e 17 pessoas autuadas pelos agentes dos municípios. Com a fiscalização mais intensa nos pontos de comércio, 553 locais foram vistoriados e, destes, 22 acabaram interditados.

Forças da segurança pública dispersam quase 300 aglomerações no feriado de Páscoa no Paraná – Curitiba, 05/04/2021 – Foto: Divulgação SESP

CAPITAL  

Em Curitiba, as equipes policiais promoveram operações que resultaram em 64 ações de dispersão de aglomerações de pessoas e 45 encaminhamentos de adultos.

Foram recebidas 289 denúncias de possível propagação da doença contagiosa, das quais 16 foram constatadas. O relatório aponta ainda que houve a apreensão de uma arma de fogo, 11,6 quilos de drogas e quatro unidades de drogas sintéticas, além de 31 veículos apreendidos/recuperados. Dentre os 54 estabelecimentos comerciais abordados, 13 foram multados e 13 interditados pelas autoridades municipais.

NORTE E NORTE PIONEIRO 

Nesta região do Estado houve 51 ações de dispersão de aglomerações, 30 encaminhamentos de adultos e cinco apreensões de adolescentes. Foram recebidas 102 denúncias de risco de contágio, das quais 30 viraram ocorrências.

O relatório aponta, ainda, a apreensão de 1,9 quilo de drogas, além de sete veículos apreendidos ou recuperados. Também foram fiscalizados 124 pontos comerciais, dos quais três foram interditados e nove multados por órgãos municipais.

NOROESTE 

Em Maringá e região houve 53 ações de dispersão de aglomerações e cinco encaminhamentos de adultos. Foram recebidas quatro denúncias de risco de contágio, das quais duas viraram ocorrências. O documento mostra, ainda, que houve a apreensão uma arma de fogo. Quatro veículos foram apreendidos ou recuperados. Houve a fiscalização de 68 estabelecimentos comerciais, dos quais seis foram multados. 

CAMPOS GERAIS  

Em Ponta Grossa e região foram feitas 43 ações de dispersão de aglomerações, 61 encaminhamentos de adultos e quatro apreensões de adolescentes. No total, foram 46 denúncias de perigo de contágio da doença, sendo que 30 viraram ocorrências. Além disso, uma arma de fogo, 130 gramas de droga e uma unidade de droga sintética foram apreendida. Também foram fiscalizados 57 estabelecimentos comerciais, dos quais quatro foram interditados e cinco multados pelos municípios.

OESTE  

Em Cascavel e demais municípios pertencentes a esta região houve 56 ações de dispersão de aglomerações, 16 encaminhamentos de adultos e uma apreensão de adolescente. Foram recebidas 87 denúncias – 30 viraram ocorrências após constatação. O relatório indica, também, apreensão de 89 gramas de droga e 11 unidades de droga sintética apreendidas, além de dois veículos. Foram fiscalizados 206 estabelecimentos comerciais, dos quais quatro foram interditados.

RMC E LITORAL  

Já nesta região, houve 19 ações de dispersão de aglomerações e dois encaminhamentos de adultos. Foram 242 denúncias, sendo que nove viraram ocorrências. O relatório aponta apreensão de 13 unidades de droga. No período foram fiscalizados 11 estabelecimentos comerciais, porém nenhum deles precisou ser multado ou interditado.

via redação Busão Curitiba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Justiça dá aval para vacinação prioritária de policiais no Paraná

Depois de alterar ao menos cinco vezes o cronograma de entrega de vacinas para covid-19, o Ministério da Saúde decidiu que não irá mais divulgar a previsão de doses que espera receber a cada mês. A mudança foi confirmada ao Estadão pela própria pasta. O ministério argumenta que esses dados devem ser coletados, agora, diretamente com os fabricantes.

O governo está sob pressão para ampliar o ritmo de vacinação. Por falta de doses, algumas cidades interromperam a campanha de imunização. A Prefeitura de Belo Horizonte informou na quinta-feira (8) que aguarda novos lotes para voltar a aplicar vacinas na capital mineira. No começo da semana, o governo do Distrito Federal fez o mesmo.

Os primeiros cronogramas de entrega de vacinas foram divulgados em fevereiro, quando o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello tentava esfriar críticas sobre a demora do governo federal em apresentar estas projeções. As versões iniciais desse documento já se mostravam inviáveis.

Ao prever o número de doses fornecidas mês a mês a Estados e municípios, a Saúde ignorava atrasos na entrega de insumos farmacêuticos ativos (IFA) para a produção de vacinas na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e no Instituto Butantan. Também somava dados da Sputnik V e Covaxin, imunizantes que ainda sem aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Pela previsão de fevereiro, o Brasil encerraria o mês de março com 68 milhões de imunizantes distribuídos. Segundo dados dessa quinta-feira (8) foram entregues 45,2 milhões de doses.

O governo chegou a desdenhar da demora na compra das vacinas. “Para que essa ansiedade?”, disse o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello em dezembro de 2020. No mês seguinte, o mesmo general declarou que o governo iria receber uma “avalanche” de propostas de vacinas e que o Brasil iria ultrapassar a campanha dos Estados Unidos já em fevereiro, o que até agora não ocorreu. Apenas em dezembro um crédito de R$ 20 bilhões foi aberto para contratação das doses, quando o governo já havia rejeitado ofertas para compra da Pfizer e do Instituto Butantan.

Já o presidente Jair Bolsonaro passou meses, em 2020, rejeitando propostas de compra da Coronavac, imunizante que ele apelidou de “vachina”, por causa da origem chinesa, e “vacina de João Doria”, em referência ao governador paulista, seu inimigo político. Bolsonaro afirmou ainda que não compraria esta vacina mesmo após o registro do produto na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Ele atribuiu a decisão a não ter “segurança” sobre a vacina por causa da origem chinesa.

Em março, o Ministério da Saúde procurou justamente a Embaixada da China para pedir socorro. A pasta apontou risco de a campanha de imunização parar no País “por falta de doses, dada a escassez da oferta internacional”, e pediu a compra de 30 milhões de vacinas da Sinopharm.

Pressionado pela queda de popularidade, o presidente modulou o discurso e passou a defender a vacina, além de negar que um dia rejeitou os imunizantes. Em 24 de março o presidente compartilhou um cronograma de entregas, que não se cumpriu. A tabela mostra cerca de 560 milhões de doses contratadas, mas já previa importação da Covaxin, fabricadas na Índia, já em março. A Anvisa negou a entrada do imunizante no País.

Os principais acordos do Brasil são com Butantan e Fiocruz, que entregam a Coronavac e vacina de Oxford/AstraZeneca. A produção desses laboratórios depende principalmente da entrega do IFA ao País.

O Butantan afirma que concluirá a meta de entregar ao governo federal 46 milhões de vacinas até o fim deste mês, somando o volume já distribuído (38,2 milhões). Já a Fiocruz espera enviar 26,5 milhões de vacinas até o começo de maio, também considerando as 8,1 milhões de unidades já fabricadas.

Informações Estadão Conteúdo

via redação Busão Curitiba

Paraná registra 3.904 novos casos de Covid-19 e 317 óbitos

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta quarta-feira (7) 4.490 casos confirmados e 433 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus.

Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma  863.790 casos confirmados e 18.001 mortos em decorrência da doença.

Os casos confirmados divulgados nesta data são de abril ( 2.897 )  março ( 1.420 ), fevereiro (73 ) e janeiro ( 17) de 2021 e dos seguintes meses de 2020: abril (1), maio (1), junho (4), julho (3), agosto (5), setembro (5), novembro (18), dezembro (46).

INTERNADOS

2.589  pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 2.056 pacientes em leitos SUS (  971 em UTI e 1.085  em leitos clínicos/enfermaria) e  533 em leitos da rede particular ( 312 em UTI e 221 em leitos clínicos/enfermaria).

Há outros 2.610 pacientes internados, 984 em leitos UTI e 1.626 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos da rede pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

ÓBITOS

A secretaria estadual informa a morte de mais 433 pacientes. São 211 mulheres e 222 homens, com idades que variam de 18 a 102 anos. Os óbitos ocorreram de 13 de janeiro  a 7 de abril de 2021.

Os pacientes que foram a óbito residiam em: Curitiba (118), Ponta Grossa (26), Londrina (23), Paranaguá (13), Colombo (12), Maringá (12), Almirante Tamandaré (11), Pinhais (11), Fazenda Rio Grande (10), Cambará (8), Foz do Iguacu (8), Cambé (7), Cianorte (7), Guarapuava (6), Sao José Dos Pinhais (6), Araucária (5), Cascavel (5), Toledo (5), Assis Chateaubriand (4), Campo Largo (4), Campo Magro (4), Campo Mourão (4), Guaraqueçaba (4), Paranavaí (4), Rio Branco do Sul (4), Apucarana (3), Campina Grande do Sul (3), Cruzeiro do Oeste (3), Guaratuba (3), Jaguapitã (3), Sarandi (3), Umuarama (3), Balsa Nova (2), Bocaiúva do Sul (2), Cornélio Procópio (2), Dois Vizinhos (2), Florestópolis (2), Jaguariaíva (2), Kaloré (2), Paraíso Do Norte (2), Pato Branco (2), Pinhão (2), Piraquara (2), Pitangueiras (2), Quitandinha (2), Ribeirão do Pinhal (2) e Uraí (2).

A Sesa registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Altamira do Paraná, Altônia, Alvorada do Sul, Andirá, Antonina, Antônio Olinto, Arapongas, Arapoti, Atalaia, Barbosa Ferraz, Bela Vista da Caroba, Cafezal do Sul, Campo do Tenente, Cândido de Abreu, Cantagalo, Carlópolis, Castro, Clevelândia, Corbélia, Farol, Faxinal, Francisco Alves, Francisco Beltrão, Goioerê, Guaíra, Ibaití, Ipiranga, Iporã, Itaguajé, Itaperuçu, Jaboti, Japurá, Jataizinho, Mandaguari, Mandirituba, Matinhos, Medianeira, Nova Esperança, Ortigueira, Paiçandu, Palmas, Palmeira, Pérola, Prudentópolis, Quatigua, Quatro Barras, Rio Bom, Santa Helena, Santa Maria do Oeste, Santa Terezinha de Itaipu, São João do Ivaí, Sao José das Palmeiras, São Sebastião da Amoreira, Sertanópolis, Siqueira Campos, Sulina, Terra Boa, Terra Roxa, Tijucas Do Sul, União da Vitória e Wenceslau Braz.

via redação Busão Curitiba