Estado amplia leitos e UTIs no Litoral, mas alerta para limites de estrutura

,

Governo do Estado vai aumentar o número de leitos exclusivos para tratamento da Covid-19 no Litoral antes do início da temporada de verão, mas a região já apresenta índices de ocupação hospitalar para tratamento da doença na casa dos 100%. Por isso, o apelo é para que as pessoas evitem viajar para as praias nas celebrações de fim de ano e não promovam aglomerações que permitam a disseminação do vírus. O alerta ocorre em razão do risco de estrangular o sistema de saúde, que tem limites de estrutura.

Maior complexo médico disponível no Litoral, o Hospital Regional de Paranaguá vai ativar na próxima semana mais 15 espaços de enfermaria e 5 unidades de terapia intensiva (UTI). Com isso, passará a contar com 50 leitos adultos, sendo 25 para cada modalidade, todos voltados para atendimentos de pacientes infectados pelo coronavírus. O centro médico tem ainda 14 UTIs para procedimentos gerais via Sistema Único de Saúde.

Apesar da ampliação de 67% na estrutura para a população adulta, a Secretaria de Estado da Saúde alerta para a seriedade do panorama atual da pandemia no Paraná. Houve um crescimento do número de casos e mortes em decorrência da doença a partir de novembro, com reflexo imediato também na região litorânea.

Para evitar o estrangulamento do serviço de saúde, o governador Carlos Massa Ratinho Junior reforçou o pedido para a população colaborar com o distanciamento social. Segundo ele, sem a efetivação de uma vacina comprovadamente eficaz, é o distanciamento físico, aliado ao uso da máscara, do álcool gel e da higiene pessoal, que serve de proteção contra a doença.

SEM AGLOMERAÇÃO – “Volto a pedir para quem puder ficar em casa. Que as pessoas evitem aglomerações, evitem viajar para as praias do Estado neste período de verão. Estamos fazendo o possível para dar conta, mas sem a ajuda de todos pode ser que os leitos não sejam suficientes. Que falte estrutura para atender a população local e também a itinerante em caso de necessidade extrema”, afirmou o governador.

A preocupação é que o movimento da virada. Em 2019, Guaratuba, Matinhos e Pontal do Paraná reuniram mais de 2,5 milhões de pessoas durante os festejos de Réveillon. “Precisamos ter consciência de que será um Natal, um Réveillon e um verão diferentes. É necessário ficarmos isolados e seguros para que tudo volte ao normal o mais rapidamente possível”, ressaltou Ratinho Junior.

INCIDÊNCIA – Os números da Covid-19 no Litoral são preocupantes. Os sete municípios que formam a 1a Regional de Saúde têm a segunda maior incidência de casos da doença por 100 mil habitantes no Paraná. São 3.949, enquanto a média do Estado é de 3.113. Apenas a 9a Regional, de Foz do Iguaçu (Oeste), tem índice pior, com 5.769.

O mesmo vale para o recorte de mortes em razão do vírus. A média na região de praias é de 81,6 óbitos por 100 mil habitantes, contra 61,5 de todo o Estado. Fica atrás apenas a 2ª Regional, que abrange a Região Metropolitana de Curitiba, com 87,6 de média.

OCUPAÇÃO – De acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde de terça-feira (15), a regional apresentava 100% na taxa de ocupações de leitos, tanto de enfermaria quanto de UTIs – na ocasião todos os 30 quartos exclusivos para Covid-19 e os 14 voltados para outras finalidades estavam ocupados.

Índice caiu para 95% na quarta-feira (16), mas havia apenas uma UTI livre. Já em relação às enfermarias, eram seis ocupados e quatro livres no Hospital Regional de Paranaguá. “Não existem leitos de sobra, a estrutura é finita”, ressaltou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. “O Litoral conta com apenas um hospital que pode ser utilizado, em Paranaguá”.

O secretário explica que há um esforço para ofertar vagas, mas alerta que também não serão suficientes se a população não tiver consciência. “Haverá reforço de segurança e fiscalização, mas o que fazer se mais de 2 milhões de pessoas decidirem se aglomerar”, afirma ele.

Segundo Beto Preto, o Estado está preparando uma resolução que servirá de balizador de comportamento nas praias durante o verão. A normativa vai orientar também a atuação das forças de segurança pública e as prefeituras municipais no combate a aglomerações e festas clandestinas no período.

NÚMEROS – As estatísticas do novo coronavírus nos sete municípios do Litoral do Paraná até a quarta-feira (16) são as seguintes, de acordo com a Sesa:

 

 Casos  Óbitos
 Antonina  1068  28
 Guaraqueçaba  158  4
 Guaratuba  1320  28
 Matinhos  716  25
 Morretes  948  19
 Paranaguá  6581  118
 Pontal do Paraná  973  21

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fabio Wajngarten nega ter envolvimento com campanha “O Brasil não pode parar”

Durante depoimento à CPI da Covid, nesta terça-feira (12), o ex-secretário de comunicação do Governo Bolsonaro, Fabio Wajngarten, negou ter envolvimento com a campanha “O Brasil não pode parar”, veiculada em março de 2022. O ex-secretário disse que na época estava internado em casa pois havia contraído Covid.

Na mesma época, o deputado federal Eduardo Bolsonaro, divulgou em seu instagram um vídeo em que  Fabio afirmava estar trabalhando normalmente.

No vídeo da conversa com Eduardo, Wajngarten diz:

“Eu sou a prova viva que mesmo testado positivo, a vida segue. Eu estou trabalhando normal, tenho feito calls com ministros, tenho feito calls com a Secom, tenho aprovado”

Confira o vídeo:

Média de mortes diárias por covid-19 cai 28% em um mês no país

O número de mortes diárias por covid-19 no Brasil recuou 28,3% em um mês, de acordo com a média móvel de sete dias, divulgada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Os dados mostram que ontem (9) a média diária estava em 2.100 óbitos, abaixo dos 2.930 de 9 de abril.

Em 14 dias, a média móvel de mortes caiu 15,8%, já que, em 25 de abril, o número de óbitos diários estava em 2.495.

O ápice de mortes foi registrado em 12 de abril (3.124). Desde então, os registros têm apresentado uma trajetória de queda, com algumas altas pontuais.

A média de móvel de sete dias, divulgada pela Fiocruz, é calculada somando-se os registros do dia com os seis dias anteriores e dividindo o resultado da soma por sete. O número é diferente daquele divulgado pelo Ministério da Saúde, que mostra apenas as ocorrências de um dia específico.