Com mais de mil leitos de UTI, estrutura de saúde é robusta, mas covid-19 exige barreira de transmissão

A rede hospitalar de Curitiba é robusta, uma das melhores do país, com mais de 1.000 leitos de UTI, o que vem garantindo atendimento a todos os pacientes de covid-19, bem como a quem tem outros problemas de saúde e precisa de internamento em decorrência, por exemplo, de AVCs, enfartes, traumas, entre outros problemas.

O enfrentamento ao novo coronavírus, no entanto, precisa – além da estrutura hospitalar – que a transmissão do vírus seja mantida sob estrito controle, segundo a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak.

Vem daí a importância de restrições à movimentação de pessoas, evitando a aglomerações e situação de propagação do vírus.

Ainda não há vacina nem remédios específicos contra a covid-19. Além disso, o impacto causado pelo vírus varia muito entre quem é infectado. Uma pessoa pode ficar completamente assintomática, enquanto outra, com mesmas características de saúde, pode morrer.

Em Curitiba, 15% dos pacientes que foram internados com o novo coronavírus faleceram – foram registrados até esta quarta-feira 94 óbitos.

“A doença atinge a todos indiscriminadamente e nós não sabemos quem será o caso leve, moderado ou grave”, afirma a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak. “Não houve falta de leitos de UTI para esses pacientes [que morreram]. As pessoas tiveram assistência, internamento, medicamento. Mesmo com acesso a tratamento adequado, a letalidade é grande”, completa.

“Podemos evitar mortes barrando a transmissão da doença”, afirma a secretária municipal da Saúde

Estrutura

A capital conta com 1.030 leitos de UTI (Unidades de Terapia Intensiva). A maioria desses leitos, 656, faz parte do SUS (Sistema Único de Saúde), dos quais hoje 199 são exclusivos para a covid-19. Outros 374 leitos estão na rede privada, dos quais 48 exclusivos para covid-19. Agora estão sendo ativados mais 58 leitos, elevando o número total para 1.088.

A cidade tem ainda com mais 5.300 leitos de enfermaria.

A rede pública e privada funciona de maneira cooperada, ou seja, complementando-se mutuamente. Há hospitais que têm leitos públicos e privados. E com a pandemia, por exemplo, o município pode requisitar leitos da rede privada, caso haja necessidade.

Os dados sobre número de leitos são registrados num sistema aberto ao público, do Ministério da Saúde, o CNES (Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde). Os novos 58 leitos entram neste sistema na medida que forem sendo ativados.

Campanha

O plano de contingência contra o novo coronavírus prevê ainda a estruturação de hospitais de campanha na capital, que serão implementados se houver necessidade. Mas esse tipo de hospital é mais necessário em cidades que não tem uma estrutura como a de Curitiba, que vem ativando leitos para a covid-19 dentro da estrutura já existente.

“O hospital de campanha é a última alternativa. Nós ativamos recentemente o Hospital Vitória e podemos ativar mais um hospital. O que temos em Curitiba é ouro: estrutura hospitalar com as condições sanitárias e de proteção do paciente, com comissão de controle infecção, intensivistas, equipe qualificada, estrutura de apoio e de diagnóstico (laboratório, raio x, radiografia), rede de gases”, explica a secretária.

Via: Prefeitura de Curitiba

Todos os municípios do Paraná já estão vacinando a população em geral

O Paraná ultrapassou nesta terça-feira (8) a marca de 4 milhões de aplicações da vacina contra a Covid-19. De acordo com o Vacinômetro do Sistema Único de Saúde (SUS), o quantitativo é composto por 2.793.678 primeiras doses (D1) e 1.232.380 segundas doses (D2), totalizando 4.026.058.

O painel, vinculado ao Ministério da Saúde, é atualizado com informações contidas na Rede Nacional de Dados em Saúde (RNDS), abastecida pelos municípios.

A ferramenta revela também que o Estado alcançou 57% da imunização do grupo prioritário estabelecido pelo Plano de Saúde Nacional (PNI), do governo federal. Desses, 25% completaram o ciclo vacinal com a aplicação das duas doses. Atualmente, segundo a mais recente atualização da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), do dia 25 de maio, 4.906.706 pessoas são consideradas prioridades no Paraná.

“Estamos avançando dentro da realidade da chegada de vacinas. Mais do que nunca é necessária agilidade na aplicação para que possamos proteger o maior número de pessoas possível. Essa é a estratégia mais eficiente para derrubar os números de casos e mortes no Estado”, destacou o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. “Mais do que nunca o pedido é para que os municípios vacinem, vacinem e vacinem”.

Ele reforçou que a meta do Governo do Estado é vacinar toda a população com mais de 18 anos até o fim deste ano.

E, como forma de acelerar o processo, a Sesa orientou na semana passada que as cidades em estágio mais avançado da aplicação comecem a vacinar a população em geral, de forma escalonada, sucessiva e decrescente, a partir da faixa etária de 59 e 58 anos. “Vamos gastar todas as vacinas que estão chegando”, disse Beto Preto.

PRIORITÁRIOS 

Considerando os números absolutos, foram imunizados com a primeira dose 550.304 pessoas com idade entre 60 e 64 anos; 419.801 entre 65 a 69 anos; 392.214 pessoas com comorbidades; 364.442 trabalhadores da saúde; 307.083 entre 70 a 74 anos; 227.908 com mais de 80 anos; 209.482 entre 75 a 79 anos; e 97.753 trabalhadores da educação do ensino básico. 

O painel aponta, ainda, que 35.688 primeiras doses foram destinadas para vacinar pessoas com mais de 60 anos institucionalizadas; 30.096 para pessoas com doenças permanentes graves; 16.123 para forças de segurança e salvamento; e 13.734 para gestantes e puérperas. Além desses, também há registros de vacinação nos outros grupos prioritários elencados no Plano Estadual de Vacinação contra a Covid-19.

TIPOS DE VACINA 

O painel do SUS aponta que a maior parte das doses aplicadas no Paraná é do imunizante Coronavac, produzido pela parceria Instituto Butantan/Sinovac. Já foram ministradas 2.247.848 doses dessa vacina (55,8%). Em segundo lugar aparece a Covishield, da parceria Fiocruz/AstraZeneca/Oxford, com 1.643.398 doses (40,8%). O imunizante Comirnaty, da Pfizer/BioNTech, completa o quadro com 134.698 doses (3,4%).

MUNICÍPIOS 

Em números absolutos, ainda segundo a ferramenta do SUS, Curitiba continua sendo a cidade que mais imunizou, com 721.468 aplicações, seguida por Londrina (228.058), Maringá (226.898), São José dos Pinhais (118.191), Cascavel (117.077) e Foz do Iguaçu (98.803). O quantitativo considera as duas doses.

Foto: Gilson Abreu/AEN

Proporcionalmente ao número de habitantes, contudo, o ranking de vacinação da Secretaria estadual da Saúde revela que os municípios mais adiantados em relação à dosagem inicial são São Jorge D’Oeste (54,25%), Kaloré (49,87%), Paranaguá (44,87%), Maringá (42,72%) e Rio Bom (42,38%).

Maringá (20,78%), São Jorge D’Oeste (20,23%), Capanema (19,30%), Miraselva (19,23%) e Terra Roxa (18,80%) são os destaques na imunização com a segunda aplicação.

via redação Busão Curitiba

Paraná ultrapassa 4 milhões de vacinas aplicadas contra o coronavírus

Com fiscalizações mais intensas, promovidas pelas polícias Militar e Civil, 20 pontos comerciais foram interditados e 714 pessoas encaminhadas por infringir medidas sanitárias de prevenção ao coronavírus no Paraná no feriado de Corpus Christi. O balanço da Secretaria da Segurança Pública registra dados de quinta-feira (03) a domingo (06).

O documento aponta que as operações policiais dispersaram 770 aglomerações em pontos comerciais e locais públicos, além da aplicarem 93 multas a estabelecimentos e outras 490 a pessoas que descumpriram o decreto estadual de enfrentamento à Covid-19. 

Nos quatro dias, a Segurança Pública do Paraná recebeu 468 chamados sobre perigo de contágio, sendo que 144 geraram ocorrências, ou seja, foram constatadas como infrações às medidas sanitárias. Foram 1.952 estabelecimentos vistoriados, uma média de 488 por dia. Os policiais encaminharam 714 adultos e 47 adolescentes.

A gravidade do quadro epidemiológico motivou o reforço nas operações integradas entre as forças de segurança pública com os municípios, cobrindo áreas urbanas, rurais, centros comerciais, vias e rodovias estaduais para inibir condutas que ajudam a proliferação do vírus. O trabalho foi intensificado no feriado em função da maior circulação de pessoas nas estradas e movimentação em pontos comerciais, principalmente com relação à compra e consumo de bebidas alcoólicas.

“Estamos trabalhando intensamente para que a população faça a sua parte e cumpra as medidas sanitárias. Nossas polícias estão monitorando pontos sensíveis, que geram infrações e aglomerações de pessoas, e promovendo abordagens constantemente, o que aumenta a sensação de segurança e inibe maus exemplos”, declarou o secretário da Segurança Pública, Romulo Marinho Soares.

De acordo com o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Hudson Leoncio Teixeira, as forças estão atuando de maneira coordenada. “Para evitar a proliferação da doença, estamos fazendo mais ações de orientação, usando do bom senso e da conscientização das pessoas para a importância de combater as aglomerações, de usar máscara e respeitar o distanciamento”, afirmou.

Para o delegado-geral da Polícia Civil, Silvio Jacob Rockembach, o resultado se deve, também, à atuação diferenciada da Polícia Civil. “Neste momento da pandemia, ações de fiscalização para evitar e coibir aglomerações são importantíssimas para frear a contaminação. A Polícia Civil atua neste sentido, dando sua contribuição no enfrentamento à Covid-19, sem deixar de lado a atividade-fim, que é a investigação”, disse.

OUTROS DELITOS – A presença maior das polícias ampliou a eficiência das ações ostensivas e repressivas e outros crimes também foram combatidos. No período, houve a apreensão de 63 armas de fogo, 1,6 mil munições e 4,9 toneladas de maconha. Somente em uma ação da Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc), duas toneladas de maconha e centenas munições de fuzil foram localizadas em São Miguel do Iguaçu. A PM, por sua vez, apreendeu dois fuzis de uso restrito na Capital e apreendeu porções de drogas e itens contrabandeados como cigarros e essências de narguilé durante as operações AIFU.

TRÂNSITO – O impacto das fiscalizações também alcançou o trânsito urbano e rodoviário. As unidades especializadas da PM flagraram 4.283 veículos em excesso de velocidade e fizeram 2.384 testes etilométricos, 45 notificações de embriaguez ao volante e 1.855 autos de infração de trânsito. Também houve a apreensão de 440 veículos, sendo que 48 tinham alerta de furto ou de roubo e foram recuperados nas operações policiais. 

Foram registrados 162 acidentes em todo o Estado, com 178 feridos e 15 óbitos. Nesse sentido, o Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv) reforçou as orientações aos condutores e demais usuários das rodovias estaduais para terem mais cautela e responsabilidade na direção e, assim, evitar acidentes para livrar o sistema de saúde de sobrecarga no atendimento aos feridos. 

CAPITAL – A Polícia Militar e os órgãos municipais fiscalizaram 97 pontos comerciais e 10 destes acabaram interditados em Curitiba. Houve o encaminhamento de 103 adultos e cinco adolescentes, e a lavratura de 12 multas a estabelecimentos e outras 12 a pessoas físicas. As equipes policiais fizeram 97 ações de dispersão de aglomerações, apreenderam nove armas de fogo, pouco mais de três quilos de drogas, além de 79 veículos.

Ação Integrada de Fiscalização Urbana fecha 14 pontos comerciais em Curitiba no feriado – Curitiba, 07/06/2021 – Foto: SESP/PR

RMC E LITORAL – Policiais militares estiveram em 52 pontos de comércio de RMC e Litoral nos quatro dias de feriado. O trabalho rendeu um ponto comercial interditado, 11 multas aos proprietários dos locais e 369 ações de dispersão de pessoas aglomeradas. Vinte e quatro pessoas foram encaminhadas e pouco mais de 155 gramas de drogas apreendidas.

CAMPOS GERAIS – Ações integradas da PM com outros órgãos estaduais e municipais para fiscalização do decreto estadual ocorreram durante o feriado de Corpus Christi na região dos Campos Gerais. O balanço indica que 285 pontos comerciais foram vistoriados e 18 aglomerações dispersadas pelos profissionais. Durante as ações, foram lavradas 22 multas para comércios e 25 a pessoas que infringiram as medidas sanitárias. Mais de 2,5 quilos de droga foram apreendidos, além do encaminhamento de 13 adultos.

NORTE – Londrina e região também tiveram reforço das ações ostensivas. O trabalho resultou em 301 estabelecimentos comerciais vistoriados e 178 ações de dispersão de aglomerações de pessoas. Dois pontos foram interditados por infringir as medidas sanitárias e as equipes municipais que apoiaram o trabalho da PM aplicaram 14 multas a estabelecimentos e outras 126 a pessoas flagradas em conduta irregular. Pouco mais de cinco quilos de drogas e uma arma de fogo foram apreendidos durante as fiscalizações e 23 adultos e seis adolescentes encaminhados.

NOROESTE – As equipes policiais abordaram 995 pontos de comércio e cinco foram interditados nos municípios da região de Maringá durante as operações para evitar a propagação do coronavírus. As abordagens também resultaram em 128 adultos e 12 adolescentes encaminhados, além da lavratura de 286 multas a pessoas e outras 17 a estabelecimentos. As unidades policiais que atuam na região apreenderam 17 armas de fogo e pouco mais de um quilo de drogas, além de dispersarem 30 aglomerações de pessoas.

OESTE – Equipes policiais de Cascavel e região também se engajaram no trabalho. Os policiais abordaram 22 estabelecimentos comerciais (sendo dois interditados), e dispersaram 78 aglomerações de pessoas. 41 pessoas e 17 pontos comerciais foram notificadas. As operações resultaram em 46 adultos e um adolescente encaminhados, além de uma arma de fogo e 251 gramas de drogas apreendidas.

via redação Busão Curitiba